Balanço anual número 2: 2010

Em 2010, fiz o balanço do ano anterior logo ao dia 8 de Janeiro; este ano, se me atraso mais um dia, já não faço o balanço de 2010 antes de Março. Por isso tem de ser hoje, e vai assim:

1. O acontecimento do ano foi a fusão da Vogais & Companhia com a Booksmile, duas chancelas que por coincidência tinham uma história de vida quase idêntica, tanto em idade como em tamanho da equipa como em títulos editados, como em investimento, passando pelo distribuidor comum.

Graças à confiança que o fundador da Vogais, o sr. Mário de Moura, decano dos editores portugueses, em nós depositou, foi possível duplicar, dum dia para o outro, a equipa, os títulos editados e a facturação, de uma forma totalmente transparente e sem qualquer disrupção para o mercado.

Esta editora com duas chancelas teve em 2010 um volume de vendas de 2 milhões de euros (facturação equivalente ao retalho) em 2010 e cumpriu os objectivos de rentabilidade.

É importante salientar que 2010 foi apenas o primeiro ano completo de actividade da editora. Ainda somos muito novos e relativamente pequenos. Mas, numa perspectiva de mercado marcada pela cada vez maior concentração tanto a montante como a jusante, só o nosso rápido crescimento permitirá que nos mantenhamos à tona da água. A fusão da Vogais com a Booksmile foi a nossa primeira resposta aos desafios permanentes do mercado editorial.

2. A fusão criou sinergias e permitiu-nos entrar em novos segmentos editoriais e reforçar a presença nos segmentos onde já estávamos presentes. Embora mantenhamos separadas as duas empresas pré-fusão, temos uma só organização funcional, podendo qualquer uma das empresas editar com qualquer uma das actuais três chancelas, consoante a melhor adequação ao respectivo catálogo, como a seguir se descrevem:

  • Booksmile é a chancela dos livros ilustrados de qualidade para o grande público, com o lema “livros que saltam à vista”
  • Nascente, surgida já em Jan-11, é a chancela de auto-ajuda, espiritualidade e esoterismo, com o lema “o curso da sua vida”; também passou a distribuir os títulos congéneres da Vogais & Companhia
  • Vogais, ex-Vogais & Companhia, relançada com imagem e logotipo renovado, e o lema “com todas as letras”, passa a ser a nossa chancela generalista

3. Números consolidados:

  • Títulos editados em 2009: 57
  • Títulos editados em 2010: 105
  • Títulos em catálogo no final do ano: 162
  • Tiragem total 2009+2010: 804 mil exemplares
  • Tiragem média 2009+2010: 4.960 exemplares
  • Colecções com maiores tiragens:
    • Princesa Poppy (23 títulos) – 210 mil exemplares
    • O Diário de um Banana (4 títulos) – 125 mil exemplares
    • Scanimation (2 títulos) – 29 mil exemplares
  • Taxa média de devolução: 21%
  • Facturação (vendas equivalente ao retalho): 2.000.000 €
  • EBITDA 2010 (não auditado): 240.000 €
  • Investimento total: 1.000.000 €
  • Colaboradores activos (FTE) no final de 2009 e de 2010: 8

4. A estratégia seguida em 2010 foi a continuação da iniciada em 2009:

  • criação e desenvolvimento de chancelas comerciais, de grande público
  • esforço de cobertura do mercado de 95% em valor
  • política de preço intermédio entre chancelas discount e chancelas líderes
  • agressividade promocional no ponto de venda (expositores, brindes, packs, compra de espaços, presença em publicações de retalhistas)
  • aposta na presença online multi-redes sociais
  • comunicação e RP estruturadas em departamento próprio

5. É este o balanço sucinto de 2010 da editora Booksmile / Nascente / Vogais (será que tenho de arranjar um nome para a designar?).

É um balanço muito positivo. A equipa que conseguiu tudo isto é fenomenal! Aqui fica outra vez uma nota pública de louvor. A eles, e também aos autores que em nós depositam a sua confiança e acreditam que fazemos o melhor que qualquer um poderia fazer pelas suas obras, OBRIGADO !

6. Ainda algumas notas finais e os objectivos para 2011:

2010 foi um ano de crise para o sector do livro, pior ainda do que 2009 devido a um último trimestre dramático, marcado pelo anúncio do Governo de cortes nos salários e aumentos dos impostos. A imediata contracção do consumo reflectiu-se violentamente no mercado do livro. Nós sentimo-lo e continuamos a senti-lo no início de 2011.

Embora acredite que o mercado irá reanimando lentamente ao longo do ano, o tempo é de precaução e consolidação. Por isso, os nossos objectivos para 2011 passam por manter a facturação, manter controlado o problema da distribuição (que inclui o problema das cobranças) e manter uma rigorosa disciplina financeira para ultrapassarmos todas as surpresas que nos hão-de surgir durante o ano.

Assim possamos entrar em 2012 plenos de força. Com a confiança dos nossos parceiros autores e livreiros, e a preferência dos nossos amigos leitores, vamos consegui-lo.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>